segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Interpretações e confusões

Olá leitores,

Bom... Não sei nem como começar a explicar tudo aquilo que preciso esclarecer aqui...

Que tal começar do princípio?

Um belo dia (pra ser sincero, não me lembro qual) eu resolvi fazer uma loucura: criar um blog para postar todas as minhas poesias. Devo muito ao apoio da Luly, que me deu a idéia e vem me apoiando desde sempre.

Conforme fui postando, tive uma idéia infeliz. Qual? Pensei em fazer do meu blog uma poesia digna de interpretação.

Estranho, não é? Muitos devem estar achando que sou um louco, mas antes de começar os julgamentos, pedirei o direito de explicação.

Tente, leitor, interpretar o meu blog. Não as poesias que estão dentro dele, mas ELE, e observe o número de poesias publicadas. Não é estranho acontecer uma queda tão gradativa? Julho: 7 poesias, Agosto: 5 poesias, Setembro: 2 poesias e Outubro: 1 poesia.

Pois é. Sabe o quê este maluco que vos fala resolveu fazer? Uma representação viva da morte poética.

Alguns podem até discutir um pouco e dizer que a poesia não está morrendo, mas eu digo que está. Cada vez mais os jovens perdem o interesse e os poetas perdem o incentivo. Não é nada mais que uma maneira de protestar silenciosamente.

A poesia morre, assim como o número de postagens nesses meses morreram.

Tudo foi só mais uma das minhas obras, e, como todas as outras, espero que tenham gostado.

Muito obrigado e até o próximo post.

Pedro Freire

12 comentários:

Pedro Freire disse...

Galera... desculpa por não ter contado pra ninguém... ^^'

É que era um segredo, ok?

Não contei... mas eu espero que, se não gostaram, ao menos tenham achado interessante.

Obrigado e desculpa denovo ^^.

Pedro Freire disse...

A propósito: espero que tenham gostado do novo visual pra retornar às postagens normais.

Abraços pra todos. ^^

Beatriz disse...

Ha!
eu ainda tenho um comentário ridículo sobre toda essa interpretação.
A quatidade de poesias de cada mês sempre foi de números primos: 7, 5, 2, 1. O que quer dizer que, sem você saber, você sabe que números primos dão sorte, ainda que a poesia esteja morrendo.

E é aí que estão minhas esperanças. A poesia só não morre porque você ainda escreve. E isso não fez sentido nenhum! XD zuahzauhzauhza

Continue sempre, onisan. Você sabe que sabe fazer poesia.

bjo.

Fábio Macedo disse...

Pois é, Pedro! A poesia ta morrendo sim.. já era o tempo dos grandes autores e dos grandes poemas... hj tudo se resume a esporádicas obras e autores.. uma pena!

e para corrigir a Bia, 2 não é número primo! auhauhauha

adorei o blog
parabéns!
=)
abraços

Beatriz disse...

2 é número primo sim. UHAZUAHUZAHZAUHZAUHZAUH

Lis disse...

Como já gritei lá no msn:
POSSO TE BATER PEDRO? xP
aUAHUahAUhuahuAHU

Ai, ai, só você mesmo pra pensar numa coisa dessas, é o puro gênio xDD

Nhaaa, mas eu adorei a idéia que vc teve \o/
Concordo com tudo o que disse, viu? Principalmente com relação a poesia estar morrendo (infelizmente) =/

Beeeijos moço
;**

Lis disse...

2 é número primo sim.[2]
hauHAUuahuUAHUa

dayane disse...

Aooo Pedrooo! Menino prodígio vc!
Já sabe q eu leio suas poesias e de tão profundas eu sempre falo:
"Okay Pedrooo, mto boaaa... traduz?!?!" Hhauhua...
Queria eu escrever assim, viu!
Vc vai longe pessoa... Quem sabe ainda vou comprar um livro seu!
Pensa na idéia e coloca a dedicatória pra gnt claro! senão eu vou t sabotar... XD
Bjss.

Caio A. T. Bonatti disse...

Eu acho que 2 é número par...
auhuahauhauahauhauah
Tô brincando, é primo sim ^^

Pedro, ficou ótimo, uma manifestação muito singular, uma poesia construída pela poesia.
E não são todas assim?

Realmente gostei da sua idéis, parabéns ^^

Quanto à morte da poesia, infelizmente ela parece inevitável agora, mas acredito (quero acreditar) que existam ciclos, quem sabe não sejamos parte um? =D
Se a poesia morrer ela ressucitará, se viver, perpertuará.
De um jeito ou de outro ela está um passo a frente de nós...

E aê pessoal? Gostaram do novo visual? Enrolei tanto o Pedro.. =P
Mas finalmente dei um upgrade no Essência.

E já atualizei o R&G, passem lá também.

Abraços Pedrão.
E lutemos juntos até que o último poeta seja indistinguível do último dos loucos.
A poesia morre em tudo exceto na alma.

Pedro Freire disse...

Concordo!

A luta continua. Tudo o quê importa é continuar, independente de todos.

Continuemos, POETAS! Para sempre.

Beatriz disse...

2 é par, mas só é divisível por um e por ele mesmo. É primo. E número primo dá sorte.

pronto, acabou. UHZAUHZAUAZHZA
te adoro onisaaaaaaaan

Luly disse...

Caaaaara... teu blog é um protesto VIVO!

que LINDO!

e ainda por cima dedicou um trechinho só pra mim! amei!!

você vai fazer "ela" ressucitar. Eu sei que vai. já tá começando!

e, só pra não peder costume: PAGUEI UM PAU! =P