quarta-feira, 19 de março de 2014

Tato

Alguns dizem que não tenho tato
e que sou grosso
irritado
e me prometem, seja em gritos
ou em olhares calados
um fato que até hoje não falhou:
“Serás deixado no passado”.

Doce realidade, em que a verdade
não se demora confundir com vaidade.
Em que o impulso, o ímpeto
abre direto o alçapão
que te faz cair, sob pena de maldade,
o que não era mais que uma explosão.

E por que não?
Por que não se deixar explodir?
Por que não deixar sair aquilo que incomoda?
Para parecer príncipe, o sapo não pode coaxar.
Já que não sabe cantar, o que lhe resta para manter a cena
é o silêncio.

Acho isso uma pena. 

Um comentário:

carolcmg1 disse...

Pedro, aqui é a Carol Guerra, você lembra de mim???? tava lembrando de vc esses tempos, adorava suas poesias!!! achei esse link no meu arquivo do twitter, me procura no fb ou no twitter ou insta!! hahaha
fb: Carol Guerra
twitter e insta: @warcarol
beijos e sucesso sempre, vc tem mt talento!!