sábado, 3 de abril de 2010

Dedicatória

A que se deve o eu
ser fiel?
como se aquilo que fosse seu
não seja meu
não tenha o teu
toque de verdade
da leitura
e da maldade.

A que se deve minha
Poesia
dedicar-se... mostrar-se...
alterar-se?

E espero escrevo leitor.

Não finjo, pois sou muitos
sois muitos
muitos sois
astros
para ler, ver
interpretar e
iluminar
o que disse
como se fosse
teu
não meu
nem seu
toque de vaidade.

2 comentários:

Carol disse...

Just Perfect, sem mais

Caio Bonatti disse...

Engraçado como eu consigo ver não só onde suas palavras nos levam mas também de onde elas podem ter surgido...
E isso só aumenta a magia que o poema exerce.

Como sempre, a qualidade se mantém: alta.
Parabéns, Pepê. Creio que temos em nós algo que merece ser compartilhado e fico feliz por ver você oferecendo tanto assim.

Abraços.